Início Cultura Chichorro expõe “sonhos alados em azul com pássaros” na Fundação Fernando Leite...

Chichorro expõe “sonhos alados em azul com pássaros” na Fundação Fernando Leite Couto

Inaugurou-se, nesta quarta-feira, a exposição do célebre artista moçambicano, Chichorro, intitulada "Sonhos alados em azul com pássaros", na Galeria da Fundação Fernando Leite Couto.

115
0
Publicidade
Fleetrack Moçambique, SA

A abrir o programa das comemorações dos 100 anos do poeta, jornalista e editor Fernando Leite Couto, um dos mais destacados artistas plásticos de Moçambique expõe as suas mais recentes criações, numa mostra que vai até o dia 3 de Maio de 2024.

Desde a década de 1960 que Chichorro brinda-nos com a sua forma única de contar estórias, de levar para a tela toda relação de afectos, a humanidade que habita no seu povo, nas coisas simples da natureza, mas que vão transformar o âmago de quem aprecia. A mulher, o gato, o pássaro, numa paleta de cores que dá vida à natureza, como se procurasse penetrar na alma do espectador, são a marca do artista.

Publicidade
Decoração DK Eventos

Essas referências simbólicas, essa sensibilidade e todo um mundo encantado, é o que se espera apreciar nesta exposição, com a curadoria de Yolanda Couto, cujo título resume a essência do que se pode ver: sonhos alados em azul de pássaros.

O escritor Mia Couto, faz uma leitura à exposição que nos liga aos afectos.

“Os quadros de Chichorro são a mão desse pai que ensina o menino a ver o que não cabe no olhar. Estão ali histórias infinitas, os segredos das mulheres que vivem à janela, as cores de uma nação sonhadas, os sons de um lugar que insiste em ser eterno subúrbio. Estas mulheres que podem ser aves, estas luas que podem ser música, esta marrabenta que faz dançar gaiolas penduradas numa nuvem. Toda esta poesia crioula está escrita em cores, numa “algaraviada luso-ronga (no dizer de Luís Patraquim) já posta em palavras pelo seu conterrâneo José Craveirinha.”

Com esta exibição, afirma ainda Mia Couto, “o nosso Chichorro volta à terra de onde nunca chegou a sair. Este não é um regresso. É apenas o círculo da lembrança de uma casa de madeira e zinco que se aquece com as suas próprias cores”. (RM)

Publicidade
Internet de Moçambique,SA

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui